Resenha: Síndrome Psíquica Grave

Resenha por Brunna Carolinne

Autora: Alicia Thompson
Editora: Galera Record
Número de páginas: 336

Cursando o primeiro período de Psicologia, Leigh Nolan tem mania de prestar atenção e analisar tudo e todos - exceto o que está bem à sua frente. Ela namora Andrew há um ano, desde quando estavam no ensino médio. Agora, ambos frequentam a mesma universidade (ele cursa Filosofia), mas quase não passam nenhum tempo juntos. Andrew faz seis (!) disciplinas, parece estar sempre estudando e praticamente não dá atenção à Leigh. Aliás, por que ele nem a convida para passar uma noite no apartamento dele e avançar um pouco no relacionamento?
Outra situação deixa Leigh intrigada: por que Nathan, o colega de quarto bonitão e misterioso de Andrew, parece odiá-la tanto? Ela nunca fez nada a ele que justificasse tanta hostilidade! Ou será que fez?... Mas o pior é que agora Leigh anda pensando em Nathan de uma maneira nada convencional - ainda mais para uma moça que tem namorado.
Alguns outros fatos também tomam a atenção da jovem, como a ultracompetitividade e hostilidade de uma aluna de Psicologia para com ela, a orientação de um grupo de meninas com "problemas", pessoas ambiciosas que já pensam na monografia, além das atitudes excêntricas dos próprios pais.
Imaginei que Síndrome Psíquica Grave fosse um romance fofinho com algumas cenas engraçadas, e eu não poderia estar mais certa e errada ao mesmo tempo sobre isso. A trama aborda a vida de Leigh, os pensamentos que ela têm e todas as peripécias por ela vividas, mas sem deixar de lado um romance mais-que-fofo (que ocupa pouca parte da história #chora) e situações mais-que-cômicas (que poderiam acontecer com qualquer pessoa #medo).
A protagonista e narradora deste livro, Leigh Nolan, foi muito bem construída. Poderia até existir no mundo real. É cheia de inseguranças, receios e neuroses. É espirituosa, divertida e doidinha. Foi incrível acompanhar o amadurecimento dela no decorrer da obra, não só em relação ao fadado relacionamento dela com Nathan, mas a decisão dela em relação a este. Fiquei muito orgulhosa! Nathan é um babaca, só pensa nele e nunca dá a atenção que Leigh merece. Super aplaudi a decisão que esta tomou em relação a essa situação (ainda que não tenha sido ela a dar o primeiro passo).
Agora, Andrew... [insira vários sons de profundos suspiros aqui] É atencioso, preocupado e tenta fazer tudo corretamente. Fiquei chateada demais por o livro não ter tantas cenas com ele quanto eu gostaria - que, não posso deixar de citar, eram de longe as melhores. Sim, Síndrome Psíquica Grave tem diversas passagens bacanas que arrancam boas risadas, mas as que colocam um sorrisinho bobo nos lábios são bem mais interessantes, envolventes e escassas. Eu queria muito mais!
Deu para perceber que o foco é mais nas situações que Nolan enfrenta e todo o amadurecimento dela a partir disso, e que o romance em si fica um pouco mais de lado. Isso é bem legal, uma vez que temos tantos outros livros com protagonistas caindo aos pés de carinhas por aí. Só que as partes que exploravam o romance eram bem mais interessantes que todas as outras, e elas são poucas! O que me deixou bem triste. Ainda mais quando chega o final, com toda aquela fofurisse que deixa um calorzinho no coração, mas que passa voando.
Acho que não fui muito clara e vou tentar resumir agora: Síndrome Psíquica Grave é bom, bastante engraçado e rende ótimos momentos, mas creio que ele seria melhor ainda se algumas partes da vida da Nolan contadas no livro fossem resumidas (ou até deletadas) para poder dar mais espaço ao romance tão bacana e agradável que recebeu apenas umas poucas páginas.
"- Eu também faço isso. (...) Invento histórias para passar o tempo quando estou deitado na cama."
pág. 259

4 comentários:

  1. Já havia olhado esse livro a capa me chamou muita atenção, mas pensei que fosse um tipo de narrativa mais (como posso dizer) problemática e não com trechos engraçados ou fofos. Mas mesmo assim ainda estou com uma certa curiosidade.

    http://www.primeiras-impressoes.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi Brunna! Eu já estava querendo ler esse livro desde seu lançamento, agora sua resenha me animou bastante. Também tive a impressão que ele fosse fofo com cenas engraçadas e, mesmo não tendo tantas assim, que bom que não vai ser uma decepção. Confesso que não sou muito fã de triângulos amorosos, então espero que ela dispense logo o namorado pé no saco que você citou, haha.
    Beijos, Lis.
    umareescrita.com.br

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Apesar do gênero não ser o meu preferido, eu estou bastante curiosa para ler esse livro.
    A capa dele é linda, né?!!

    Beijos, Paradoxo Perfeito

    ResponderExcluir
  4. OI Brunna

    Esse livro está na minha lista de futuras leituras e essa é a primeira resenha que vejo sobre ele. Parece que você ficou um pouco dividida entre gostar e não gostar e seus motivos são mais do que justificáveis. É uma pena que uma história que tinha tudo para ser perfeito falhou logo no quesito romance, principalmente por ser a melhor parte da história. Ainda quero muito ler, mas diminui as expectativas.

    Beijos
    http://mundo-de-papel1.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

« »
 
Layout por Adália Sá e modificações por Brunna Carolinne. © Proibido cópia total ou parcial. Plágio é crime!