Resenha: Reboot

Resenha por Brunna Carolinne

Autora: Amy Tintera
Editora: Galera Record
Número de páginas: 352

A população do Texas foi praticamente toda exterminada por um vírus. Muitos humanos faleceram, somente alguns poucos ainda estão vivos, e vários, após morrerem, retornaram à vida. Estes são chamados Reboots. Eles são fortes, ágeis, curam-se rapidamente e quase não sentem emoções. Quanto mais tempo a pessoa passa "morta", menos traços humanos ela possui e mais poderosa é quando retorna como Reboot.
Percebendo o quanto estes seres podem ser perigosos, os humanos sentem medo e desprezo por eles. Por isso, quando uma organização decide transformar os Reboots em soldados, a sociedade apoia. Tanta habilidade seria bastante útil em manter o estado em segurança.
É neste cenário que Wren se encontra. A jovem é uma 178, o que significa que ela, incrivelmente, passou 178 minutos morta. Que se saiba, nunca uma pessoa demorou tanto para voltar à vida. Os outros Reboots até mantêm distância dela. Um ser que passou 178 minutos morto não deve ter mais nada de humano dentro dele, certo? Isso é assustador.
178 é uma soldado exemplar. É implacável, nunca falha e sempre segue as ordens sem questionar. Todas as missões que recebe são cumpridas com sucesso, inclusive a de treinar novos Reboots (o trabalho preferido de Wren). Os alunos dela lutam muito bem e sobrevivem às batalhas, isso porque, por ter o número mais alto, toda vez Wren é a primeira a escolher o Reboot que deseja treinar - e é lógico que ela opta por aquele mais hábil, ou seja, o que tem a maior numeração. Porém, quando um novo grupo de Reboots chega para ser treinado, Callum logo chama a atenção de Wren. O rapaz é um simples 22 que parece estar com um eterno sorriso estampado no rosto. Ele a intriga e, quanto mais tempo Wren passa com Callum, mais a soldado perfeita questiona o sistema que a rodeia.
Encontrei mais uma distopia para amar.  O primeiro capítulo já é recheado de ação, mostrando para o leitor que Reboot não está para brincadeira. Com o ritmo alucinado e diversas situações inesperadas, a obra consegue ser singular mesmo contendo tantos elementos já vistos por aí antes. Tudo é bem explicado, verossímil e instigante.
Wren é daquelas mocinhas que a gente ama acompanhar. Ela teve uma infância complicada, uma morte difícil e tudo que ela acredita torna-se algo que ela nunca imaginou. É forte, nada boba e luta pelo que crê. Mas o brilho de Reboot fica por conta de Callum. Ele é a alma, corpo e mundo dessa história. É por conta do temperamento e dos questionamentos de Callum que Wren começa a abrir os olhos e o coração. É por conta dele que risos saíram da minha boca, e lágrimas, dos meus olhos. Callum é alegre, animado, cheio de esperança e vida. Que personagem adorável!
Sim, temos romance aqui, mas é só uma pitada, ele não é nem de longe o foco da trama. E todo o relacionamento acontece naturalmente, nada é rápido demais ou parece forçado. Aliás, tudo em Reboot é admissível, tudo poderia muito bem acontecer no "mundo real". Dá para notar que a autora teve o cuidado de pensar em cada detalhe da narrativa.
Estou morta e enterrada com o final desse livro! Cadê a continuação? Já necessito! Ficarei louca imaginando o que acontecerá em Rebel... Quer mais motivo para pegar Reboot para ler o mais rápido possível? Pois aqui vai um: o livro ainda não tinha sido nem publicado quando teve os direitos de adaptação comprados pela Fox 2000! É, querido, a história de Wren tem potencial. Corre!

8 comentários:

  1. Nossa Bruna, que resenha instigante!
    Eu não curto muito ler distopias, mas já li algumas por conta de parceria que até gostei. Mas, lendo a sinopse e sua resenha fiquei muito interessada em conferir este.
    Vou colocar na lista dos desejados, e logo que der vou comprar para conferir.
    Bjus
    Lia Christo
    www.doceseletras.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi Bruna.
    Sério que Reboot tem um desfecho desesperador?! Não aguento mais livros assim, mas eu gosto tanto de distopias que não vou resistir até lançarem o livro seguinte pra ler.
    Diante de tantos elogios vou ter que arriscar e ficar sofrendo por um tempo rsrs.
    Gosto de distopias que não focam no romance, tendem a ter enredos mais cativantes e envolventes.

    Beijos.
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
  3. Adorei saber que tudo no livro é possível, isso deixa o livro e um enredo muito mais instigante, por que mexe com nosso emocional sem igual. Adorei a resenha e já devo procurar pelo livro! Parabéns!

    Beijos,
    Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    ResponderExcluir
  4. Oi Brunna

    Menina essa tua resenha me deixou maluquinha para ler esse livro. A ideia dele é fantástica e super instigante. Lendo o que você escreveu senti a presença de várias outras histórias que já vi, uma mistura de muita coisa boa.
    Mesmo o romance não sendo o foco, o fato de existir e parecer ser tão legal já me deixou animada.
    Já está na lista de futuras leituras.

    Beijos
    Mundo de Papel

    ResponderExcluir
  5. Olá,
    Estou na metade do livro e confesso que ainda não estou amando-o, porém, estou intrigada para continuar a leitura :)

    Beijos, Paradoxo Perfeito

    ResponderExcluir
  6. Brunna, não conhecia esse livro, mas sendo uma distopia e recomendada por você (que tanto ama o gênero), tenho certeza que vale a pena ler! Gosto de saber que o romance acontece naturalmente, visto que em algumas distopias isso definitivamente está longe de ser um cuidado tomado pelos autores, mas gosto principalmente do cenário em que a história se passa. Parece muito interessante.
    Dica anotada. :D

    Beijos,
    Ricardo - www.overshockblog.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oi Brunna,
    Eu via a capa desse livro achava que era de terror hahaha
    Ta distopias sempre me assustam porque fico pensando e se..?

    Gostei do que li na sua resenha e não tirou minha curiosidade,

    bjs e tenha um ótimo resto de semana.
    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir
  8. Então.. Já vi diversas opiniões sobre este livro, e fico na duvida: Compro ou não compro? E você? me indica?

    http://leitoracomamor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

« »
 
Layout por Adália Sá e modificações por Brunna Carolinne. © Proibido cópia total ou parcial. Plágio é crime!