Resenha: Convergente

Resenha por Brunna Carolinne

Autora: Veronica Roth
Número de páginas: 528

ATENÇÃO: Esta resenha é do terceiro livro da série Divergente, mas ela não possui qualquer tipo de spoiler.

Para eu não soltar spoilers, optei por não falar sobre a história em si de Convergente, então se você quiser saber um pouco sobre o que fala esse volume final, clique aqui e leia a sinopse da obra.
Quem costuma acompanhar o blog, pelo menos de vez em quando, deve ter percebido o quanto eu amo distopias, e Divergente provavelmente era a minha distopia preferida, então nada mais coerente que eu estivesse esperando um desfecho extremamente espetacular para essa série. Ah, a alta expectativa...
Nos livros anteriores da saga, costuma-se ter bastante ação, aquele clima de tensão o tempo todo, o pessoal lutando e se esforçando para combater o que não aceita. Já aqui, isso muda: não há tanta ação assim, logicamente as cenas de batalhas diminuíram bastante e o livro tornou-se mais uma especie de explicação de algumas coisas.
Lembre-se do que foi dito nos livros anteriores sobre as facções e o mundo dos divergentes. Lembrou? Agora esqueça tudo! Tudo que aprendemos sobre esses assuntos nos demais volumes mostrou-se ser algo totalmente diferente aqui nesse desfecho. Ainda não sei exatamente o que pensar sobre isso, só sei que, depois que terminei a leitura, fiquei me sentindo como se tivesse sido enganada todo o tempo.
A narrativa da Veronica (agora contada em primeira pessoa sob dois pontos de vista: Tris e Quatro) continua envolvente, levando o leitor para dentro da história e fazendo-o ter sentimentos conflitantes. Eu não sabia o que pensar sobre alguns personagens, torcia demais por uns e às vezes queria esganar outros. Isso foi ótimo, pois revela o quanto a trama me tocou. Peter e Caleb são meus personagens preferidos  oi?
O que mais me encantou em Divergente foi o fato da autora não ter pena de se desfazer dos seus personagens, dando um baita toque de realidade à história. Aqui, isso chega a ser um ponto questionável. As decisões que a Veronica tomou nesse último livro permite aos leitores afirmarem que ela não pode ser nada menos do que audaciosa. Acho até que ela gosta de dar a cara a tapa, porque olha... Óbvio que não gostei do que aconteceu, mas, se era realmente para acontecer, então gostei da forma como ocorreu.
Se você por acaso fizer uma visitinha à minha estante de lidos no Skoob, notará que Convergente foi o ú-n-i-c-o livro que eu não dei estrelinha alguma, simplesmente porque eu não sei como classificá-lo. O livro não é mal escrito, de maneira nenhuma, nem pense nisso, mas, se comparado com seus antecessores, ele possivelmente é o mais fraquinho. Não sei se ele realmente é assim, se minhas expectativas estavam altas demais ou se o "problema" foi outro qualquer, mas o fato que é que achei que ele poderia ter sido melhor, mas ao mesmo tempo ele me tocou tão profundamente que, mesmo após umas 4, 5 horas que terminei a leitura, um desespero tão grande se apoderou de mim que chorei compulsivamente! Fiquei lembrando de tudo o que aconteceu e não consegui segurar as lágrimas, elas vieram como um temporal, tirando-me o fôlego, fazendo-me soluçar e demorando por um bom tempo.
Você que já começou a série, leia o livro. Você que gosta de histórias diferentes, leia o livro. Todos: preparem seus corações e estejam prontos para o que vem nesse final. Sejam corajosos!
"(...) todas as pessoas têm algo de mal dentro de si e (...) o primeiro passo para amar qualquer pessoa é reconhecer o mesmo mal dentro de nós para que possamos perdoá-la."
pág. 279

5 comentários:

  1. Ainda não li nenhum livro da série, mais tenho muito curiosidade, pois acho que vou curtir :)

    Beijos, Paradoxo Perfeito

    ResponderExcluir
  2. Já perdi a conta de quantas distopias você já resenhou e quantas vezes já disse que gosto do gênero e não me importaria de ler todos, mas dessa vez não vou falar isso, prometo - se bem que já falei :x
    Até o momento li poucas resenhas do último livro, mas a maioria foi muito positiva, apesar do desfecho nem sempre agradar. Lendo sua resenha, acho que o que impediu que você conseguisse avaliar a obra certamente foi a alta expectativa e esse sentimento de ter sido enganada. Mas quer saber? Acho que isso tornou o livro especial, afinal, de que outra maneira você teria esse sentimento após a leitura?

    Beijos,
    Ricardo - www.overshockblog.com.br

    ResponderExcluir
  3. Ohhh.. só o que tenho a dizer..kkk começei a ler o livro ontem. Ansiosa pra ver se vou ter a mesma sensação. Não vou colocar muita expectativa pra não me decepcionar e se for melhor só saio ganhando.
    hehe apesar de tudo é bom ver alguém sincero sobre o livro.
    Jessica
    www.jeitodler.com

    ResponderExcluir
  4. Olá Brunna,

    Só leio resenhas positivas em relação a essa série, essa é a primeira resenha que leio desse terceiro livro e pelo visto a história é de tirar o fôlego.....parabéns pela sua resenha...abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi Brunna, eu também tive problemas para classificar o livro, primeiro eu dei 2 estrelas, no dia seguinte, depois de ler outras resenhas e conseguir ver o livro por outro ponto de vista, dei mais uma. Mesmo assim, achei que Convergente deixou muito a desejar! O final foi muito broxante, sem sal, não sei, eu esperava MUITO mais, devido aos livros anteriores que são bons demais! Eu nem fiquei tao abalada com "aquele" acontecimento quase no final do livro, só achei a Veronica muito corajosa de fazer aquilo hahahaa
    É isso, adorei a resenha, eu nem consegui resenhar o livro, até tentei, mas ficou muito ruim!

    Beijos
    Débora - Clube das 6
    http://www.clubedas6.com.br

    ResponderExcluir

« »
 
Layout por Adália Sá e modificações por Brunna Carolinne. © Proibido cópia total ou parcial. Plágio é crime!