Resenha: Quando Tudo Volta

Resenha por Brunna Carolinne

Autor: John Corey Whaley
Editora: Novo Conceito
Número de páginas: 224


Cullen Witter tem 17 anos, não é muito sociável, possui apenas poucos amigos e prefere passar despercebido. Bem diferente de seu irmão, Gabriel, de 15 anos, que costuma chamar atenção por onde passa. Cullen ama seu irmão mais novo, acha-o esperto e divertido. Por isso que, quando Gabriel simplesmente some (ou foge?) do mapa, o verão de Cullen fica simplesmente uma droga, ele está desolado e sem rumo. Também está bastante irritado, porque o sumiço de seu querido irmão praticamente fica em segundo plano quando um depressivo observador de pássaros anuncia que o pica-pau Lázaro - que não é visto há muitos anos - está nos arredores de Lily, no Arkansas, a pacata cidadezinha sem graça onde mora. Enquanto Lily fica eufórica por conta de um pássaro que talvez nem exita de verdade, a falta de explicações para o desaparecimento de Gabriel deixa a família Witter a ponto de enlouquecer.
Em Quando Tudo Volta também é apresentado para o leitor o missionário Benton Sage (que está ajudando pessoas na África, mas sem ver propósito nisso), o estudante de filosofia Cabot Searcy (que quer mudar o mundo), uma garota bonita (cujos os namorados costumam morrer), um cara louco e depressivo (que procura algo que pode nem existir), uma mulher que conseguiu sair de uma cidadezinha sem graça (mas que voltou depois de se separar do marido) e como tudo pode se interligar.
É bem difícil para eu explicar o que senti nas poucas horas que passei lendo Quando Tudo Volta, isso porque nem eu mesma sei o que senti. Na verdade, nem sei o que pensar sobre esse livro. Gostei bastante do mistério que tem nele, da forma como ele foi resolvido, dos temas abordados, do humor presente e a maneira como tudo se entrelaçou no final. Mas, ao mesmo tempo, desgostei de algumas partes da narração, do fato de que praticamente todos os personagens pareciam ter grandes problemas (sei que na vida todos temos problemas, mas no livro isso tomou grandes proporções), e principalmente, não saber como me sentir após terminar a leitura.
Creio que talvez tenha sido exatamente essa a intenção do autor: levar seus leitores a pensar sobre a obra. Se esse realmente era seu objetivo, nossa, então ele é brilhante, porque eu, pelo menos, pensei, analisei e tentei compreender exaustivamente diversos pontos do livro. Mesmo assim, ainda tem partes que ainda não interpretei por completo.
A edição está tão simples, mas tão linda que dá vontade de passar horas admirando. Capa bonita (e significativa), diagramação impecável, sem grotescos erros de português e folhas amarelas. Quero convidar você a ler esse livro e depois comentar comigo o que achou, suas descobertas sobre ele, o que aprendeu com a história e seus personagens.
"(...) não é interessante pensar que algo pode simplesmente voltar?"
pág. 186

2 comentários:

  1. Eu adorei essa resenha *u*
    Essa frase final foi tão... profunda. Putz, fiquei curiosa.
    O que será que simplesmente pode voltar?! hmmm

    Adorei, bjoos
    http://cookierobsten.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. De todos os livros da Novo Conceito que chegaram no início da semana, esse chamou a atenção, mas não se tornou prioridade. Pelo menos até o início da sua resenha, quando achei os mistérios bem interessantes. Também fiquei bem curioso, mas me pergunto se não se trata de um livro para se ler no momento ideal, em que você está preparado para tanta reflexão sobre o livro.
    De qualquer forma, agora vejo o livro com outros olhos.

    PS: Brunna, como respondi lá no blog, vou ficar na torcida para que você consiga resolver o problema com os livros de março da Novo Conceito :D Depois me conte no que deu.

    Beijos,
    Ricardo - www.overshockblog.com.br

    ResponderExcluir

« »
 
Layout por Adália Sá e modificações por Brunna Carolinne. © Proibido cópia total ou parcial. Plágio é crime!